Mídia Social X Jornalismo

“Estamos na nova era, a era da mídia social, a era em que o poder do jornalismo deixa de ser soberano e absoluto”, afirma Fabiano de Abreu

Foto sobre "Mídia Social X Jornalismo"

O jornalista, escritor, filósofo e pesquisador histórico Fabiano de Abreu se manifestou sobre a Folha de São Paulo manter a matéria sobre a ex-esposa do candidato à presidência Jair Bolsonaro, dizendo que o Itamaraty confirmou a suposta ameaça de morte recebida por sua ex-esposa.

“As eleições de 2018 era o momento certo do jornalismo mostrar sua credibilidade. Na era do fake news nós jornalistas estávamos derrubando a mídia social. O maior temor, a responsável pela perda da audiência da imprensa era ela, a "maldita" mídia social em que as pessoas não precisavam mais da imprensa para serem notadas, para passarem a informação. Mas era nessas eleições, na temporada fake news, no tema que repercutiu na imprensa, que o jornalismo ganharia sua credibilidade. Como eu disse em uma de minhas pesquisas: mídia social não é site de notícias. A matéria da Folha de S Paulo falhou em um princípio básico no jornalismo: apurar os fatos a fundo, entrevistar a pessoa citada na matéria. A ganância partidária que alguns jornalistas vêm cometendo nitidamente está fazendo do nosso jornalismo algo simplesmente imbecil”, esbraveja o especialista.

 “Fiz uma matéria em que falava exatamente isso: na era do fake news, na era das eleições, esse era o momento do jornalismo provar que é mais forte que a mídia social porque tem o selo da credibilidade e a mídia social não tem o selo da credibilidade. Qualquer um fala na era do fake news. Nós jornalistas tínhamos o respeito e agora estamos perdendo audiência por conta da mídia social. Até assessoria de imprensa está perdendo clientes pois falam que até a mídia social é mais importante que sair na imprensa. Só que, casos como o da Folha de S. Paulo derrubou a credibilidade dos jornalistas cometendo esse defeito de matar o jornalismo. Tem jornalista matando o respeito, matando os princípios e matando a posição social que tinha o jornalista”, completa o jornalista, escritor, filósofo e pesquisador histórico.

Para Fabiano de Abreu, é nítido que existe posição partidária em muitas matérias e na maneira como elas são construídas: “Os internautas e sua grande maioria, são pessoas que tem estudo, são pessoas que tem nível de conhecimento, fica feio o jornalista tentar manipular porque as pessoas percebem. O jornalista precisa provar as coisas e a falta de imparcialidade é grave. Eu por exemplo sou imparcial, dei minha saída definitiva do país e voto em Portugal, para assim trabalhar com a política brasileira sem preferências e de forma racional. É nítido que a imprensa está perdendo o respeito. Justo no momento que a imprensa tinha que ganhar o respeito e derrubar a mídia social”.

 “A Folha de S. Paulo saiu do Facebook e mandou um comunicado alegando o motivo, mas não sabemos se é realmente esse o motivo, ou se na verdade eles não aguentaram o bombardeio dos internautas em cima deles, foi algo massacrante eu presenciei no twitter e facebook. As pessoas com um grau de escolaridade sabem das coisas e são eles que estão atacando os jornais. Fui até o banco, e o funcionário do banco me conhece sabe que eu sou jornalista e me desdenhou, “vocês jornalistas” eu fiquei chateado porque já começou uma generalização. No final das contas o jornalismo iniciou o processo no Brasil de derrota para mídia social porque não soube fazer jornalismo, porque não foi imparcial e agora? Não somos mais respeitados? Então agora vamos jogar o diploma no lixo porque vão rir dos jornalistas? Está feio o negócio, chegou ao cúmulo do ridículo. Jornalistas de outras editorias e que não são nem de política vão interferindo por causa de algum jornal que não tem nenhum editor para fiscalizar. Estão fazendo uma lambança”, conclui o especialista.

 

Fabiano de Abreu 

Gestão geral grupo MF Press Global 

De Portugal, especial para o JE

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.