Casos de coronavírus em São Roque continuam a crescer

Novos casos crescem mês a mês

Foto sobre "Casos de coronavírus em São Roque continuam a crescer"

São Roque caminha para os 500 casos de coronavírus, número que pode ser alcançado já no início da próxima semana, segundo a progressão da doença na cidade. Com base nos boletins divulgados todos os dias pela prefeitura municipal, o Jornal da Economia realizou um levantamento da progressão da covid-19 na cidade, e que mostra um aumento preocupante, mas esperado do número de casos em São Roque a cada mês. Porém, os índices também mostram que apesar da grande quantidade de pacientes, o município conta com um sistema de saúde que tem conseguido lidar muito bem com a pandemia. 

O coronavírus chegou oficialmente a São Roque no dia 07 de abril, com a confirmação de dois casos, sendo que até o final do mês a cidade já registrava 25 pacientes contaminados com o vírus. O número cresceu no mês de maio, quando a cidade registrou mais 40 casos, porém a explosão da quantidade de contaminados ocorreu em junho, quando a cidade contou com 156 novos casos.

O aumento era esperado já que a época marca uma fase de interiorização da doença, que deixa os grandes centros urbanos e migra para as cidades do interior. Porém o número continuou a crescer em julho, onde em 30 dias mais 206 pacientes com a covid-19 foram registrados pela prefeitura municipal, somando 427 casos desde o início da pandemia na cidade até o final do mês passado.

Infelizmente a luta contra o coronavírus parece estar longe de acabar, visto que apenas nos primeiros seis dias de agosto a cidade registrou 45 casos, mais do que o contabilizado em todo o mês de maio. Segundo dados divulgados nesta quinta-feira (06) a cidade contabiliza, 472 casos desde o início da pandemia.

Entretanto o sistema de saúde municipal aparentemente tem lidado bem com a pandemia, principalmente no que tange ao sistema público, que foi o que mais sofreu no início do surto da covid-19. Uma das maiores preocupações com relação a pandemia é o modo como ele pode facilmente sobrecarregar o sistema de atendimento de uma cidade, fato que já foi visto na região de Sorocaba e tantas outras áreas em todo o país.

No caso de São Roque, segundo as apurações realizadas pelo Jornal da Economia, ao longo de toda a cobertura da pandemia no município, até agora o momento mais crítico para o sistema de saúde ocorreu nos primeiros 20 dias de junho, quando a cidade contava com apenas cinco leitos de Unidade de Terapia Intensiva “UTIs” no sistema público, vindo dos equipamentos requisitados do Hospital São Francisco.

Cerca de 51 pacientes foram atendidos utilizando-se dos equipamentos requisitados, mantidos nestes cinco leitos que, segundo nossas apurações, chegaram a índices preocupantes de ocupação embora nunca tenham chegado a sua ocupação máxima.

Atualmente a cidade conta com um sistema de saúde muito mais robusto para o enfrentamento do coronavírus, sendo que a maioria dos leitos de UTI e enfermaria estão presentes na rede pública, na ala de covid-19 da Santa Casa, que conta com 10 leitos de Terapia Intensiva e 28 leitos de enfermaria (25 adultos, 2 pediátricos e 1 de estabilização) e 20 poltronas reclináveis de observação.

Uma estrutura que vem dando resultados segundo os índices de mortes registrados em São Roque, que até o fechamento desta edição, infelizmente contava com 19 óbitos, sendo que a grande maioria (9 casos) corresponde a pacientes entre 60 a 69 anos, que faz parte do 5º grupo mais atingido pela doença, visto que 50 pacientes desta faixa etária foram registrados desde o início da pandemia.

Número de falecimentos que, embora seja sentido por todos, é um pouco maior do que o registado em cidades menores como Mairinque (18 casos) e menor do que o de cidades com mais habitantes, como Ibiúna (com 27 óbitos).

De qualquer modo o enfrentamento da covid-19 na cidade ainda parece estar longe de terminar.

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.