As Festas de Agosto como manifestação da Fé e da Missão

E chegaram as Festas de Agosto! Que alegria!

Foto sobre "As Festas de Agosto como manifestação da Fé e da Missão"

E chegaram as Festas de Agosto! Que alegria! Todos nós são-roquenses nos sentimos impelidos a participar, de um jeito ou de outro, da Festa de nossos padroeiros Nossa Senhora da Assunção e São Roque.

Porém devemos ter sempre a consciência de que esta não é uma festa qualquer. É a festa maior da nossa paróquia, ou seja, antes de tudo é uma festa religiosa. Nela devemos nos alegrar, nos divertir, nos confraternizar, mas também devemos lembrar que, como festa paroquial, ela também é uma grande celebração da nossa fé.

As Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil para o quadriênio 2019-2023 nos recorda, citando o documento de Aparecida, que a missão é intrínseca à fé cristã, pois “conhecer Jesus é o melhor presente que qualquer pessoa pode receber; tê-lo encontrado foi o melhor que ocorreu em nossas vidas, e fazê-lo conhecer com nossa palavra e obras é nossa alegria”.

PUBLICIDADEJORNAL DA ECONOMIA JE

Todos nós já sabemos que São Roque foi alguém que teve uma profunda experiência pessoal de Deus. Por isso não conseguiu ficar indiferente ao sofrimento e à necessidade do outro.

Celebrarmos a nossa fé deve nos levar a assumir a nossa missionariedade enquanto comunidade eclesial. A Igreja é, de per si, missionária. Isso é o que a define e identifica. Cada um de nós, como membro da Igreja, é um missionário. Tudo aquilo que realizamos na nossa vida, no quotidiano da nossa existência, deve ser um ato missionário. As nossas atitudes, a nossa fala, o modo de nos relacionar com as pessoas, tudo deve ser uma ação missionária. A alegria que sentimos não deve ser apenas consequência da nossa festa, mas deve ser fruto de um pessoal e autêntico relacionamento com Deus.

A nossa paróquia, ao celebrar seus padroeiros, deve seguir seus exemplos. Deve ser missionária principalmente no que diz respeito à atenção aos nossos irmãos e irmãs mais desfavorecidos. Devemos estar atentos aos gestos de acolhida, ao amparo na tribulação, o consolo no luto, a defesa dos direito e a sede de justiça. Por isso devemos exercitar a cultura da proximidade, do encontro e do diálogo com as diversas realidades, principalmente aquelas mais marginalizadas. Grande desafio para todos nós.

Celebremos os nossos padroeiros, festejemos com intensidade e alegria! Sejamos verdadeiros discípulos missionários de Jesus Cristo!

Viva Nossa Senhora da Assunção! Viva São Roque!

Frei Francisco Sales (Salinho), OCD

Centro Teresiano de Espiritualidade

OFERECIMENTO

 

 

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.