Criptomoedas: investimentos arriscados ou ativos confiáveis?

Pesquisa da Toluna revela forte contraste nas percepções dos brasileiros sobre criptoativos

Assessoria de Imprensa Foto: Divulgação
Foto sobre "Criptomoedas: investimentos arriscados ou ativos confiáveis?"

Um levantamento global da Toluna, empresa de pesquisa especialista em insights do consumidor, entrevistou 9 mil pessoas com idades entre 18 e 64 anos de quatro regiões do globo e 17 países para entender as percepções dos consumidores em torno das criptomoedas.

 

Foram entrevistadas pessoas na América do Norte, América Latina, Europa, Oriente Médio e África e Ásia-Pacífico, na Austrália, Cingapura, Hong Kong, Tailândia, Filipinas, Índia, Malásia, Indonésia, Vietnã, EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Espanha, Itália, Emirados Árabes Unidos e Brasil.

 

Abaixo, resumo dos resultados do estudo no Brasil (com 500 respondentes das classes A,B,C, A, B e C, segundo critério de classificação de classes utilizado pela ABEP – Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, onde pessoas da classe C2 têm renda média domiciliar de R$ 4.500 por mês. Estudo feito com pessoas acima de 18 anos, de todas as regiões brasileiras, com 3 pontos percentuais de margem de erro e 95% de nível de confiança):

 

Principais conclusões:

· Em uma escala de 1 a 10, 15% dos entrevistados acreditam que o risco de investir em criptomoedas é de 5.
· Apenas 16% dos respondentes estão completamente familiarizados com o conceito de criptomoedas.
· 31% dos entrevistados conheceram o conceito de cripto em 2020. Já 29% dos que responderam tiveram conhecimento do termo em 2019.
· Para 40% dos entrevistados, a principal razão para investir nesse tipo de ativo é a sua capacidade de crescer a longo prazo. 36% acreditam que criptomoedas são bons investimentos por sua capacidade de render em curto prazo. 33% escolhem investir em cripto para diversificar a cesta de investimentos
· Para 48% dos que fizeram parte da pesquisa, a principal razão para não investir em cripto é que não sabem o suficiente sobre o ativo. Já 34% não apostam em cripto por sentirem-se inseguros. 32% acham o investimento muito arriscado
· Sobre a frequência na compra e venda desse tipo de ativos: 30% compram e vendem mensalmente, 18% semanalmente e 17% em um intervalo menor que seis meses
· A corretora mais usada para as transações é a Binance: 38% dos entrevistados são clientes. 26% usam a Mercado Bitcoin
· 35% dos entrevistados fizeram seu primeiro investimento em criptoativos influenciados por experts/influenciadores de finanças. 24% foram convencidos a dar o start nesse tipo de investimentos via anúncios online

 

 

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.