Grupo Sabará ressalta a importância de discutir sustentabilidade e conservação do solo no âmbito corporativo

Assessoria de Imprensa Foto: Pixabay
Foto sobre "Grupo Sabará ressalta a importância de discutir sustentabilidade e conservação do solo no âmbito corporativo"

Em 11 de janeiro é comemorado o Dia do Controle da Poluição por Agrotóxicos, pesticidas sintéticos usados para controlar insetos, larvas, fungos e que possuem seu uso associado a problemas como intoxicações e poluição de corpos hídricos, solo e atmosfera, além do prejuízo à saúde humana, segundo estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

O uso dessas substâncias é um assunto que, a cada dia, ganha mais destaque. Isso porque o ecossistema terrestre está sobrecarregado e o Brasil é um dos países que mais consome agrotóxicos no mundo. De acordo com dados do Ministério da Agricultura, em 2020, foram aprovados 493 novos agrotóxicos para uso, o número mais alto desde 2000.
 

Nesta data, o Grupo Sabará, multinacional brasileira especializada em proporcionar o que há de melhor em tecnologias sustentáveis, ressalta a importância de discutir iniciativas focadas em Governança Ambiental, Social e Corporativa com o intuito de incentivar indústrias e empresas a apostar em uma jornada mais sustentável, tendo em vista que esse é o caminho para disseminar práticas ambientais que, além de ajudar a minimizar a poluição por agrotóxicos, leva em consideração a preservação da terra para as gerações futuras. 

 

De acordo com Giovanna Cappellano, coordenadora da área de ESG do Grupo Sabará, com práticas mais sustentáveis de conservação do solo é possível realizar a adubação ou proteção contra pragas com partes das plantas. "Na agricultura convencional, essas partes seriam descartadas ou até queimadas. Esse processo permite a manutenção da saúde do solo e de todo ecossistema envolvido para uma produção mais eficiente, menos agressiva e mais saudável", explica.

Além disso, Cappellano completa que a conservação do solo e a ausência de agrotóxicos ajudam na preservação de pássaros, insetos, animais, além de microorganismos presentes nele, importantes para o crescimento da vegetação da região e para a manutenção dos ecossistemas. Outro ponto crucial é que a preservação da saúde do solo contribui para o sequestro de carbono, sendo esse um importante reservatório. "Com a preservação da biota presente no solo, a interação entre solo e planta se torna mais saudável e o gás carbônico removido da atmosfera é armazenado tanto em um quanto em outro, assim podemos ter um impacto positivo", esclarece.

 

Proteção ambiental

O Grupo Sabará é reconhecido mundialmente pelo seu trabalho ativo com os biomas brasileiros, que além de envolver comunidades quilombolas e indígenas, hoje contribui para a conservação de 1,9 milhão de hectares orgânicos de forma indireta por meio da valorização de produtos florestais não madeireiros. “Esse projeto promove respeito, dignidade e inclusão socioeconômica com foco no engajamento das comunidades, cooperativas e associações fornecedoras de insumos da biodiversidade”, explica, Cappellano.

 

Reconhecimento da ONU

A companhia está comprometida em ajudar a Organização das Nações Unidas (ONU) a alcançar 12 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e, devido aos esforços alinhados ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 15 - Vida Terrestre (Life on Land), dedicado a proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, em junho de 2016, Ulisses Sabará, sócio-diretor do Grupo Sabará, foi reconhecido como um Local SDG Pioneer durante a conferência de Líderes do Pacto Global da ONU, que acontece em Nova York.

 

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.