Sorocaba amplia espaço para atuação feminina no segmento de transporte

Operação do Corredor Ipanema terá 3 motoristas mulheres. Empresas de transporte da cidade estimulam a formação de interessadas em função de motorista

Assessoria de Imprensa Foto: Divulgação
Foto sobre "Sorocaba amplia espaço para atuação   feminina no segmento de transporte"

Concessionária BRT Sorocaba e o Consor, empresas de transporte coletivo da cidade, incentivam a presença feminina no setor e afirmam que há oportunidades no segmento. A operação do Corredor Ipanema que será ativada em breve, ganhará três motoristas femininas dirigindo os ônibus superaticulados. Um cenário inédito no quadro de motoristas do BRT.

 

Manoel Ferreira, Diretor de Operações da Concessionária BRT Sorocaba, explica que no sistema de transporte da cidade existem mulheres em diversas posições, mas como motorista ainda são poucas. Hoje, elas ocupam mais de 5% das vagas.

 

Embora o número de mulheres motoristas ainda seja tímido, as empresas querem aumentar o quadro feminino e orienta que mulheres interessadas no segmento invistam na formação profissional. O executivo destaca que a companhia é entusiasta e defende a ampliação do quadro de colaboradoras na área, pois acredita que a presença destas profissionais irá fortalecer ainda mais o mercado.

 

“Pouca gente sabe, mas além do cargo de motorista, temos entre nossas colaboradoras, mulheres atuando como manobrista, pintora, mecânica e eletricista de ônibus. Elas conquistaram este espaço e são profissionais de referência no que realizam. Temos muito orgulho de ter um time plural e que faz a diferença no serviço de transporte. Estamos falando do Dia Internacional da Mulher, mas para nós, o dia delas são todos os dias, pois reconhecemos, incentivamos, valorizamos e, principalmente, respeitamos o que elas fazem diariamente”, enaltece Ferreira.

 

Na região existe um solo fértil e possível para as mulheres que tiverem interesse. Um exemplo é a história da Bernardina Pereira (conhecida como Xuxa), 55 anos e MOTORISTA há 4 anos. Ela relata que trabalhou em algumas funções dentro da empresa até se tornar manobrista e, finalmente, chegar a sua realização de ser motorista.

 

No começo não tive dificuldades, o que tinha que fazer era administrar a preocupação, por que sempre estava alerta no cuidado com o passageiro e o trânsito. Mas, com a experiência vamos acostumando e hoje tudo é tranquilo. Me sinto realizada na minha profissão. É um trabalho que amo fazer, porque gosto muito de dirigir. Para as mulheres que querem ser motorista, lutem e tenham fé que vocês chegam lá”, enfatiza a motorista.

 

As profissionais que estarão no quadro de motoristas do Corredor Ipanema já estão sendo preparadas e formadas pelo Instrutor de Treinamentos, Márcio Constantino. Segundo ele, as motoristas aprendem com facilidade, são rápidas e costumam ser mais atenciosas.

 

"Profissionais de ambos os gêneros são competentes e qualificados para a função, mas, cada um possui potencialidades inatas de cada ser. As mulheres têm um instinto de proteção e prudência muito grande, com isso, elas acabam colocando isso no dia-dia e é muito bom. As viagens são tranquilas no trânsito e os passageiros se sentem acolhidos por todas elas. O saldo é muito positivo”, ressalta Constantino.

 

Mercado de Transporte no Brasil

 

Dos mais de 47 milhões de empregos formais no Brasil, hoje, mais de 2,4 milhões estão ocupados por profissionais do transporte. É o que indica dados mais recentes da RAIS (Relação Anual de Informações Sociais) e do Ministério do Trabalho e Previdência Social.

 

Traçando um paralelo com o cenário local,  Sorocaba recebeu um aporte significativo com a chegada do BRT, o que contribuiu para a geração de emprego e renda, desde a execução de obra até os colaboradores da operação.

 

Mulheres nos bastidores do transporte de Sorocaba

 

Para o passageiro que pega o ônibus todos os dias, a visão é somente da presença dos motoristas e dos agentes de bordo, sejam mulheres ou homens, mas nos bastidores também existe uma força feminina que ajuda a transportar.  

 

Todas elas são profissionais, mães, filhas e cidadãs que trabalham no sistema de transporte coletivo de Sorocaba e fazem a diferença. Conheça algumas dessas mulheres.

 

“Trabalho há 20 anos como mecânica e me orgulho muito disso. Sou especializada em parte pneumática (freio), é um serviço pesado, mas eu gosto e incentivaria outras mulheres que tem a vontade de se tornarem mecânicas. Eu consegui, elas também conseguem, é só se esforçar e aprender. O maior desafio que enfrentei foi no começo, porque os outros mecânicos da época eram machistas e achavam que mulher tinha que estar no fogão em casa. Mas, tive sorte e encontrei um colega muito parceiro que me ensinou. Aos poucos, fui aprendendo e com muita raça e mostrando serviço, ganhei o respeito da turma. Hoje, sou vista e respeitada porque provei do que sou capaz. Sou forte!”. Iranilda Vicente, 57 anos, MECÂNICA.

 

"Eu era lavadora de autos, fui promovida a manobrista há 7 meses e gosto do que faço. Estou contente na minha profissão de manobrista. É gratificante quando conseguimos alcançar o nosso objetivo”. Elissangela Sanches, 44 anos, MANOBRISTA.

 

“Há dois anos estou trabalhando como eletricista. Aos poucos tive a oportunidade de crescer na empresa. Na minha função, todos os dias estamos sempre aprendendo algo novo, gosto de aprender e isso é um incentivo para sempre ir melhorando. Para as mulheres que querem trabalhar como eletricista diria que corram atrás. No começo é difícil, mas se tiver paciência e se esforçar, consegue”. Gilvânia da Silva, 44 anos, ELETRICISTA.

 

Tenho sete anos como pintora e amo a minha profissão. Este é um trabalho que faço e vejo o resultado. Isso é realizador. No setor de pintura, fui a primeira mulher a entrar e seria muito bom se mais mulheres estivessem na área da pintura”. Edneia Muniz, 46 anos, PINTORA.

 

 

 

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.