Bolsonaro testa positivo para coronavírus

Psresidente tem 65 anos e faz parte da faixa etária considerada por especialistas como grupo de risco

Fonte: Portal G1
Foto: Reprodução / internet
Foto sobre "Bolsonaro testa positivo para coronavírus"

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta terça-feira (7) que está com covid-19. O governante havia realizado exames nesta segunda-feira  (06) após apresentar quadro febril e dores pelo corpo e assim realizou o teste para covid-19 e uma radiografia do pulmão

O presidente afirmou que a febre chegou a 38 graus, mas que a temperatura começou a ceder durante a noite. Ele afirmou também que sentiu mal-estar e cansaço, mas que agora está se sentindo "perfeitamente bem". "Estou bem, estou normal, em comparação a ontem, estou muito bem. Estou até com vontade de fazer uma caminhada, mas, por recomendação médica, não farei", afirmou.

De acordo com o presidente, ele tomou cloroquina, remédio que vem defendendo como tratamento para a Covid-19, mas que não conta com eficácia comprovada para a doença.

O presidente tem 65 anos e faz parte da faixa etária considerada por especialistas como grupo de risco.

Desde o início da pandemia no país, no fim de fevereiro, Bolsonaro vem descumprindo orientações de autoridades de saúde sobre medidas de prevenção do contágio. No sábado (04), o presidente, ministros e um dos filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), participaram de almoço promovido pela embaixada dos Estados Unidos no Brasil em comemoração à independência norte-americana.

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.

  • Helio Galeno marques

    Infelizmente nosso presidente na sua soberba, esbanja não só arrogância como uma dose intensa de mentiras. O que disse antes, não dando importância para a pandemia, não confiando em seus ministros em conduzir conforme os protocolos internacionais, deixou o ministério a deriva. Os governadores estaduais podem até estar errando em muitos pontos, mas seria muito pior se deixassem prevalecer os intentos do presidente. Não seria 60.000 mortos. Seria 180.000