Caipirinha e caipiroska estão 16% mais baratas do que um ano atrás

O custo para fazer uma caipirinha individual nos lares caiu graças às quedas nos preços do limão e do açúcar. Cachaça contrabalança e Vodka não afeta o preço.

Assessoria de Imprensa Foto: Divulgação
Foto sobre "Caipirinha e caipiroska estão 16% mais baratas do que um ano atrás"

Considerado o drink nacional e patrimônio cultural protegido internacionalmente desde 2003, a caipirinha é uma das principais opções de bebidas tanto para aquecer quanto para refrescar. A boa novidade é que o preço para o preparo da versão tradicional de limão - seja à base de caipirinha ou vodka - caiu mais de 16% no período de um ano, o que pode incentivar que a celebração do Dia Nacional da Cachaça, em 13 de setembro, aconteça dentro dos lares.

 

Segundo Thiago Berka, economista da APAS, nos últimos anos, a queda de consumo em bares e restaurante devido à instabilidade econômica migrou as confraternizações e o consumo de bebida alcoólica para dentro de casa, beneficiando as vendas no varejo alimentar. “Estimativas apontam que, enquanto bares terão crescimento de 1% no consumo de cerveja, por exemplo, os supermercados terão 4%. A oferta de todo tipo de opção nos supermercados, desde as marcas mais populares até as especiais e artesanais tornam ainda mais atrativa a degustação em casa”, exemplifica.

PUBLICIDADEJORNAL DA ECONOMIA JE

 

Ainda segundo o economista, mesmo dentro da crise econômica, no ano passado o gin foi uma das únicas bebidas alcoólicas que teve aumento no consumo, sendo 8,3% de crescimento em volume no mundo. No Brasil, a expectativa é de aumento de 27,5% até 2023, com a bebida cada vez mais procurada nos supermercados.

 

O consumo da caipirinha não foge desta migração para os lares. Dentre os ingredientes para o preparo – cachaça ou vodka, limão e açúcar – observa-se no limão a maior queda de preço em um ano: 30,41%. Já o açúcar, caiu 8,39% no acumulado desses 12 meses. Um dos motivos para a queda do limão é o aumento de algumas áreas plantadas que antes eram das usinas de cana-de-açúcar. “Mais de 80 dessas áreas fecharam nos últimos dez anos devido a políticas de gasolina subsidiada e ao baixo preço do açúcar no mercado internacional. Com isso, algumas terras foram reaproveitadas para a plantação de limão. A mesma explicação é para a produção de cana-de-açúcar, em que o volume que ia para a fabricação de etanol caiu e para açúcar subiu, baixando o preço”, conta Berka.

 

Porém, o economista da APAS alerta que a hora de aproveitar os bons preços dos ingredientes da caipirinha é agora. “Com a melhoria da política de combustíveis e descongelamento do preço da gasolina, o etanol voltou a ficar mais atrativo no preço pago aos produtores. A cana que vai para o açúcar caiu de 35,7% para 35,3%”, finaliza.

 

Comparação de preços:

  

Caipirinha

Fonte: APAS/FIPE

 

Caipiroska

Fonte: APAS/FIPE

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.