Sem Neymar, Brasil enfrenta um dos maiores perigos da Copa do Mundo 2014

Seleção investe em novas táticas e na motivação para vencer

Foto sobre "Sem Neymar, Brasil enfrenta um dos maiores perigos da Copa do Mundo 2014"
Creditos da imagem: Da Redação: Rafael Barbosa / Fotos: Divulgação

Hoje, as 17 horas, o Brasil enfrentará seu adversário mais perigoso nesta Copa do Mundo. Tricampeã do mundo, a Alemanha, entra em campo com seu uniforme rubro nego e é uma das favoritas ao título desde o início. A saída de Neymar, devido a uma fratura na terceira vértebra lombar durante o jogo contra a Colômbia, causou um sério desfalque na seleção, que agora tenta novas táticas e investe na motivação para suprir a ausência do atacante.

A falta do jogador é sentida sobre todos os jogadores, porém segundo o técnico Luiz Felipe Scolari, a seleção nunca esteve tão forte. “Vamos jogar por nós, por nosso país, por tudo aquilo que imaginamos e sonhamos, mas um pouco de cada um de nós pelo Neymar, por tudo que fez pela gente. Está superada a situação, estamos falando normalmente. No grupo temos outro foco, outro envolvimento, temos que trabalhar assim”, comentou o técnico que vem motivando o grupo com a ausência do camisa 10.

Felipão também testou duas formações no último treino antes da semifinal. Primeiro, promoveu o retorno de Luiz Gustavo ao time, deixando a seleção com três volantes (junto com Fernandinho e Paulinho). Depois investiu na entrada de Willian para a vaga de Paulinho. Nos dois casos, o técnico usou Daniel Alves no lugar de Maicon para a lateral direita. Dante entra no lugar de Thiago Silva, suspenso por conta do segundo cartão amarelol, e David Luiz herda a braçadeira de capitão.

Porém, muito além da formação da equipe que enfrenta os alemães, a torcida por ter um papel fundamental durante a partida. “Você não deve acreditar que a ausência de Neymar e Thiago Silva seja desvantagem para o Brasil. Tenho a certeza de que os substitutos vão lutar pelo Neymar, pelo país, para ter certeza de que o Brasil siga sendo favorito nas semifinais. São 200 milhões de torcedores no país, não estão jogando apenas no campo, é o país inteiro. Isso está soltando a energia, é algo singular para o time”, comentou o treinador da equipe.

A Alemanha  deve entrar em campo com algumas modificações. Joachim Löw deve ser certeza após a boa partida contra a França e o capitão Philipp Lahm deixa de ser volante para voltar a lateral, enquanto Boateng e Hummels devem compor a zaga e Khedira, Schweinsteiger e Kroos farão o meio-campo. Existe certa incerteza com relação ao ataque.  Miroslav Klose, que esteve presente na final de 2002, pode ter sua chance mas a tendência é que Schürrle assuma para dar mais mobilidade ao setor.

 

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.