Medicamentos isentos de prescrição geram economia anual de R$ 364 milhões para o SUS

MIPs aliviam sintomas de doenças, mas devem ser usados somente com orientação

Foto sobre "Medicamentos isentos de prescrição geram economia anual de R$ 364 milhões para o SUS "

Vendidos sem a apresentação de receita, os medicamentos isentos de prescrição (MIP) podem ser muito úteis na hora de diminuir os desconfortos causados por febre, dores de cabeça, dores musculares e enjoos. Sua capacidade de combater os sintomas iniciais de muitas doenças sem a necessidade de recorrer a um hospital representam uma economia anual de R$ 364 milhões por ano no Sistema de Saúde Único (SUS), segundo pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Administração (FIA) em 2017.
 
Apesar de seus benefícios, tais medicamentos não estão livres de efeitos colaterais e devem ser usados com critério, sempre seguindo a orientação de um farmacêutico ou médico. Adriano Ribeiro, farmacêutico da rede de farmácias Extrafarma, fala sobre os medicamentos isentos de prescrição de uso mais comum e em quais casos costumam ser usados.
 
Analgésicos e antiinflamatórios
 
Os analgésicos comuns são usados para eliminar dores leves ou moderadas, como uma dor de cabeça eventual. Já os anti-inflamatórios são usados para dores causadas por inflamações, como dor nas costas ou muscular.
 
Antitérmicos
 
Usados para combater a febre, os antitérmicos inibem a ação da enzima responsável pelo aumento da temperatura corporal, aliviando a sensação de mal-estar provocado por esse sintoma, muito comum em casos de gripe ou resfriado.  Alguns desses medicamentos também agem como analgésico ou anti-inflamatório.
 
“Os antitérmicos evitam que a temperatura do corpo suba além do normal, o que representa um risco para o organismo. Após tomar os cuidados iniciais é importante consultar um médico, para que a causa da febre seja identificada e combatida”, recomenda Adriano.
 
Descongestionante nasal
 
São usados em casos de obstrução das vias aéreas, causada por doenças como rinite e sinusite e, também, por reações alérgicas, gripes e resfriados. Suas substâncias vasoconstritoras atuam para diminuir o fluxo sanguíneo na região nasal, reduzindo o inchaço e a produção de muco, que prejudicam a respiração.
 
Antiácido - Sal de frutas
 
Usados em casos de azia e má digestão, os antiácidos, também conhecidos como sal de frutas, ajudam a diminuir o nível de acidez no estômago, aliviando a sensação de queimação. São indicados para casos esporádicos de mal-estar e não devem ser usados quando a azia e a queimação forem queixas frequentes, pois podem mascarar a ocorrência de uma doença crônica.
 
“Os medicamentos isentos de prescrição não estão livres de efeitos colaterais, por isso devem ser usados com critério, sempre seguindo a orientação de um farmacêutico ou médico”, afirma Adriano.
 
Sobre a Extrafarma
 
Fundada há 58 anos, a Extrafarma atua com pioneirismo nos mercados de atacado e de varejo farmacêutico do Brasil. Com mais de 400 lojas e 7 mil colaboradores diretos, a rede conta com mais de 6 milhões de clientes cadastrados no seu programa de fidelidade, o Clube Extrafarma. Em 2014, a empresa passou a fazer parte do Ultra, companhia multinegócios da qual fazem parte também Ipiranga, Ultragaz, Ultracargo e Oxiteno
 

Publicidade:

Comentários:

Suas informações de contato não serão divulgadas.