A última letra do alfabeto

A última letra do alfabeto

Somos classificados por religião, nacionalidade, nível socioeconômico ou cultural, signo do zodíaco e muitos outros grupos. Um dos fatores que pode afetar a personalidade de maneira global é a geração à qual pertencemos. E nunca houve tantas gerações convivendo em família e no trabalho. A geração Z é formada por nascidos entre os anos 90 e 2010, depois já é geração Alpha, recomeçando a contagem.

De modo geral, acredita-se que cada geração seja mais livre do que a anterior. Financeiramente nem sempre, os seus pais da geração X ou Y estavam em situação melhor. Segundo pesquisa do SPC divulgada em agosto de 2019, a maioria dos jovens adultos Z abusa do crédito e cerca de 1/3 já teve o nome sujo. Estourando os limites do cartão e cheque especial com impulsos de consumo, sem poder contar com a previdência social amanhã ou com o emprego certo hoje, eles montam seus próprios negócios. Muitos deles operando no vermelho e vivendo de empréstimos e aportes de capital.

O vício do smartphone e das redes sociais pegou a todos meio despreparados. Tanto a geração Z de nativos digitais como seus pais X e Y fazem uso abusivo da tecnologia e estão tentando equilibrar as coisas agora, repensando a sua relação com as máquinas. Ouvir música, conversar, informar-se, assistir vídeos, tirar e compartilhar fotos e jogar são as atividades mais comuns.

Os sonhos de consumo das gerações anteriores como casas e carros luxuosos, roupas toda semana e emprego seguro estão sendo substituídos por viagens, festas e tecnologia. Não precisam possuir se podem compartilhar ou alugar. A família tradicional com papai, mamãe, criançada, cachorro e jardim não é tão atraente para a geração Z quanto a liberdade de experimentar diversos tipos de relacionamento e moradia sem muito apego. Se os animais eram maltratados, hoje alguns são humanizados e ocupam o lugar dos filhos. Muitos Zs não terão filhos e dos que tiverem, a maioria precisará da ajuda dos filhos para sustentar-se em sua longa velhice e não deixará qualquer patrimônio de herança. É bom a geração Alpha se virar...

A educação financeira e as fintechs estão mais presentes na vida da geração Z. Mais da metade realiza um controle financeiro, tem conta bancária e dinheiro guardado (a maioria na caderneta de poupança). Demoram a conquistar a independência, mais da metade ainda mora com os pais, mas possui fonte de renda e contribui para o sustento da casa. Mesmo depois de sair de casa ainda querem a comida e a roupa lavada, talvez uma mesadinha...

O mercado de trabalho é inconstante, profissões tradicionais desaparecem e os jovens Z podem inventar uma nova atividade do zero com ideias incríveis. Para o seu futuro as qualidades humanas como paciência e a inteligência emocional para trabalhar em equipe podem valer mais do que um diploma universitário de peso. Vamos fechar o alfabeto com chave de ouro, geração Z?

Andréa Voûte

Foto

Andréa Voûte

Desde 2002 Andréa Voûte ajuda pessoas a lidarem melhor com o seu dinheiro individualmente, em família ou nas micro e pequenas empresas. Foi bancária e hoje é Consultora financeira e palestrante na Voute Contar. Autora do livro Finanças pessoais uma gestão eficaz, criou vários cursos, controles e métodos de consultoria e planejamento. contato@voutecontar.net.br

ver mais

mais de Andréa Voûte

Comentários:

1