Desempenho ou resultado?

Analisando números do Palmeiras campeão brasileiro de 2018, pode-se chegar em conclusões interessantes

Desempenho ou resultado?

Descrição

O último Palmeiras x Corinthians, ocorrido no dia 02/02, que resultou na vitória do Corinthians, colocou em destaque novamente uma antiga discussão no futebol brasileiro: o que é mais importante: desempenho ou resultado?

Analisando números do Palmeiras campeão brasileiro de 2018, pode-se chegar em conclusões interessantes. O time alviverde, segundo o FootStats, liderou o ranking de rebatidas no campeonato com 1236 rebatidas, uma média de 32.5 por jogo. O interessante é analisar que entre os 10 times com o maior número de rebatidas, estão os quatro clubes que foram rebaixados além de Ceara e Vasco, que ficaram na parte de baixo da tabela. Analisando outros rankings, o Palmeiras foi apenas o 11º em número de passes e o 9º em posse de bola. Quando aliamos esses números ao futebol apresentado pelo Palmeiras no ano passado e no início desse ano é muito fácil chegar à conclusão de que não há uma saída de bola de qualidade e sim de que a maioria das jogadas é resultado de ligação direta, o famoso chutão, e uma exploração excessiva da qualidade do Dudu, que a todo momento é acionado ou numa jogada de velocidade ou no um contra um. Entretanto, o título de Campeão Brasileiro e um sistema defensivo extremamente eficiente mascaram esse futebol primitivo.

No Derby do dia 2, o que se assistiu foi um Corinthians que fez um gol logo no início e se fechou atrás esperando que o Palmeiras propusesse o jogo. Nesse momento se percebeu a dificuldade do time do Felipão em criar jogadas e lances de gol. A equipe teve 63,7% de posse de bola contra 36,7% do alvinegro, entretanto, o Palmeiras teve 28 finalizações, e pasmem, apenas uma certa. O Corinthians teve 8 finalizações e 5 certas. A equipe alviverde não teve qualidade para criar jogadas perigosas e fez o que todo time brasileiro faz quando está perdendo e não tem capacidade de criar jogadas: fica dando chuveirinho na área, uma jogada pouco efetiva e pouco criativa. Para se ter noção, o Palmeiras deu 53 cruzamentos e acertou apenas 15, um aproveitamento ridículo.

PUBLICIDADEJORNAL DA ECONOMIA JE

O resultado do Palmeiras no Campeonato Brasileiro de 2018 tirou o foco de um futebol pobre e com poucos recursos. Esse estilo de jogo pode ser bom para o consumo interno porém é insuficiente para fora do país, vide a Libertadores 2018. Talvez se os diretores e torcedores do Palmeiras não se contentassem apenas com resultados e exigissem um bom desempenho, o time pudesse utilizar de seu rico elenco e reinar soberano no futebol brasileiro, mas atualmente, apesar de ter um elenco superior aos outros (excetuando Flamengo e talvez o Cruzeiro), o Palmeiras não consegue exercer essa superioridade dentro de campo.

Leonardo Casemiro de Oliveira Faria

Foto

Leonardo Casemiro de Oliveira Faria

Leonardo é formado em Gestão pública pela Uninove e atualmente cursa Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

ver mais

mais de Leonardo Casemiro de Oliveira Faria

Comentários: