Equilíbrio do equilíbrio

Andrea Voute fala sobre como é importante mantermos nossas vidas sociais e econômicas longe dos excessos

Equilíbrio do equilíbrio

Eu considero as palavras “tudo”, “nada”, “nunca” e “sempre” pesadas, da mesma forma que fica estranho colocar “meio”, “talvez” ou “mais ou menos” em todas as frases. Muitas pessoas acreditam ser importante ter equilíbrio em tudo, mas vamos pensar como seria o equilíbrio do equilíbrio. Soou desequilibrado para você?

Se eu pegar um sonho e transformá-lo em meta, focando meus recursos nela, há grandes possibilidades de ele ser atingindo. Dedicação e persistência são qualidades que ajudam a realizar coisas e isso costuma trazer muitos benefícios. No entanto, algumas situações exigem um desvio, uma adaptação, um momento multitarefa. A meta pode tornar-se impossível ou inadequada. De qualquer forma, toda experiência é válida.

Neste mundo competitivo, fazer as coisas pela metade pode causar muitas perdas e muitos danos. Trabalhar em algo que não sabemos fazer, por exemplo, toma um tempo enorme e gastamos muita energia para obter um resultado que, com certeza, será medíocre e, quem sabe, poderá até nos custar o emprego. Há certos tipos de trabalho em que não podemos errar e tudo precisa ser perfeito ou é melhor nem começar.

Da mesma forma, relacionamentos superficiais ou frios podem causar mais brigas do que alegrias, mais traições do que lealdade e mais obrigações do que prazeres. Algumas situações de relacionamento pedem entrega e amor incondicional, outras pedem respeito e moderação e há as que pedem distância e rupturas. E isso nem sempre está sob controle.

Ser sério, sem dúvida, é muito importante, mas há também os momentos em que podemos relaxar um pouco para que as preocupações não se tornem neuroses. A rigidez constante faz tão mal quanto a irresponsabilidade.

Ter fé aumenta nossa qualidade de vida, se comparada à vida de alguém totalmente incrédulo, desde que essa fé não ultrapasse a linha do fanatismo. O concreto e o cientificamente comprovado são fundamentais para o mundo.

Gastar e consumir, nem demais nem de menos. Ambição na medida certa. Risco do tamanho da sua tolerância. Generosidade sem facilitar abusos. Precisamos prestar atenção em nosso comportamento financeiro, testando e buscando.

Portanto, “equilíbrio do equilíbrio” é saber dosar as coisas, sejam elas quais forem, de acordo com você e com a situação que se apresenta. Alguns chamam de equilíbrio a alternância entre um extremo e outro, alguns escolhem sempre o meio, sendo radicais na moderação…

Para certas coisas eu sou radical assumida, em outras tenho equilíbrio e o maior desafio é lutar contra o desequilíbrio, quando acontece o extremo no momento que deveria ser ameno e vice-versa.

Foto

Andréa Voûte

Desde 2002 Andréa Voûte ajuda pessoas a lidarem melhor com o seu dinheiro individualmente, em família ou nas micro e pequenas empresas. Foi bancária e hoje é Consultora financeira e palestrante na Voute Contar. Autora do livro Finanças pessoais uma gestão eficaz, criou vários cursos, controles e métodos de consultoria e planejamento. contato@voutecontar.net.br

ver mais

mais de Andréa Voûte

Comentários:

1