Alimentação Saudável na Idade Escolar

Todo mundo sabe que a oferta de alimentos saudáveis nas cantinas e lanchonetes que funcionam dentro das escolas costuma ficar bem abaixo do desejável.

Alimentação Saudável na Idade Escolar

- Foto: Reprodução/Internet

Todo mundo sabe da importância de comer bem: traz benefícios para a saúde, ajuda a nos manter ativos para realizar as tarefas do dia a dia e melhora até o humor. Uma alimentação saudável é aquela que reúne todas as substâncias químicas de que o corpo precisa para funcionar corretamente. Requer muita diversidade de ingredientes em todas as refeições, com equilíbrio entre carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e minerais. Na escola, um espaço ocupado por crianças e jovens, isso se torna ainda mais relevante. Porém todo mundo sabe que a oferta de alimentos saudáveis nas cantinas e lanchonetes que funcionam dentro das escolas costuma ficar bem abaixo do desejável.

Cheiros, sons, iluminação, conforto, condições de limpeza e outras características do ambiente, influenciam na quantidade de alimentos que ingerimos e o prazer de desfrutar da alimentação. Locais limpos, tranquilos e confortáveis ajudam a concentração no ato de comer e convidam a que se coma devagar, contribuindo para que não comamos em excesso. A oferta de alimentos saudáveis nos diferentes ambientes, como nas cantinas e refeitórios escolares e ambiente de trabalho, também é fundamental para favorecer escolhas alimentares mais saudáveis.

Você já refletiu sobre isso? Como é a alimentação na escola do seu filho?

A escola é um local privilegiado para a promoção da saúde e prevenção do sobrepeso e da obesidade. Algumas ações realizadas no ambiente escolar contribuem para formação de hábitos alimentares saudáveis e facilitam o consumo desses alimentos pelas crianças e adolescentes. Por exemplo: a substituição da comercialização nas cantinas escolares de alimentos considerados não saudáveis por preparações mais saudáveis; a oferta de frutas e hortaliças na alimentação escolar e nas cantinas comerciais; a restrição à propagandas de alimentos com quantidades elevadas de açúcares, gorduras saturadas e trans e sódio.

Você sabia que o governo federal proporciona a oferta de refeições no ambiente escolar, por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE, a 45 milhões de alunos da educação básica de escolas públicas, inclusive comunitárias, federais, filantrópicas e escolas localizadas em áreas remanescentes de quilombos e em áreas indígenas? Os cardápios escolares devem conter alimentos variados, seguros e que respeitem a cultura, tradições e hábitos alimentares saudáveis, priorizando, sempre que possível, os alimentos orgânicos e/ou agroecológicos. Todos os municípios têm conselhos que são responsáveis por fiscalizar a alimentação ofertada pelo PNAE.

Que tal conhecer melhor como funciona o conselho da sua cidade?

Aqui em São Roque o CAE ( Conselho de Alimentação Escolar )é um órgão fiscalizador bastante atuante que tem como membros , representantes da Sociedade Civil , além de pais de alunos, professores, funcionários das escolas  e representantes do Poder Executivo, que tem como objetivo além de fiscalizar a alimentação da rede publica, cobrar dos órgãos públicos a aplicação das verbas recebidas pelo governo federal , além de prestar contas à respeito da funcionalidade do Programa de Alimentação Escolar no município. . As reuniões são mensais e acontecem toda primeira quinta – feira de cada mês na Sala dos Conselhos localizada no prédio do Departamento de Educação do Município ( antigo prédio do Sesi), e são abertas ao publico.

Esse Conselho ( CAE) não tem o dever de fiscalizar as escolas privadas, porém tendo em vista à necessidades da adequação, varias escolas já encontram-se em adequação ao oferecimento de alimentos saudáveis durante o horário do recreio. Escolas privadas que oferecem Educação em Tempo integral passam a se adequar também em relação ao horário de almoço dos alunos oferecendo um cardápio adequado, assim como as Escolas Municipais, que também o faz sobre a orientação de nutricionistas .

Para apoiar as ações de promoção da alimentação saudável no ambiente escolar em escolas particulares, o Ministério da Saúde elaborou o “Manual das cantinas saudáveis – promovendo a alimentação saudável”, que possibilita aos donos e donas de cantinas transformarem seu local em um ambiente promotor da alimentação saudável. Além disso, os cantineiros podem fazer o curso de educação à distância para orientar essa transformação da cantina. Os materiais e links para o curso podem ser encontrados na plataforma www.cantinasaudaveis.com.br, que conta também com dicas e receitas sobre lanches saudáveis.

Por questões de praticidade, custo e armazenamento, é mais fácil encontrar produtos industrializados, que têm prazo de validade maior - mas causam mais danos à saúde que os alimentos in natura.

O domínio dos salgadinhos, doces e chocolates, porém, já é questão de saúde pública. Em 2008, a Sociedade Brasileira de Pediatria publicou uma compilação de diversos estudos sobre o tema, que mostra que o aumento do número de crianças com excesso de peso varia de 10,8% a incríveis 33,8% conforme a cidade ou região. Diversos outros problemas, como diabetes, hipertensão arterial, alterações ortopédicas e elevação dos níveis de colesterol e triglicerídeos, têm se tornado frequentes entre a garotada.

Vamos dar uma olhadinha na relação dos vilões das lancheiras e quem sabe repensar a nossa prática em relação aos nossos filhos e como poderemos mudar seus hábitos alimentares em relação àquele lanchinho da escola, pois eles são pobres em nutrientes e ricos em gordura, sódio e açúcar. Esses produtos industrializados já foram banidos em alguns estados e municípios que têm leis sobre as cantinas escolares:

Salgadinhos e frituras: O principal problema dos salgadinhos de pacote são os altos índices de sódio, que podem provocar a elevação da pressão arterial. Já as frituras têm muita gordura, que colabora para o ganho de peso.

Refrigerantes e sucos artificiais: Bebidas com alto teor de açúcar são pobres em fibras e micronutrientes. Contêm aditivos (como os corantes) e sódio. São considerados grandes vilões do sobrepeso e de novas cáries.

Maionese, ketchup e mostarda: Além de muito calóricos, têm altos teores de gordura total e de gordura saturada, açúcar, sódio e aditivos químicos. Por não conter fibras nem micronutrientes (vitaminas e minerais), podem causar a elevação da pressão arterial.

Biscoitos recheados: Como quase todos os alimentos desse grupo, têm muitas calorias, açúcar e gorduras - e poucas fibras e micronutrientes. A indústria vem tentando reduzir a taxa de gordura trans, um fator de risco para doenças do coração.

Balas, pirulitos e chicletes: São alimentos com pouco ou nenhum valor nutricional e elevado teor de açúcar. Por isso, provocam ganho de peso e cáries. O excesso de açúcar eleva os níveis de colesterol e pode provocar problemas cardíacos.

Chocolate:São alimentos com grande concentração de gordura, ácidos graxos saturados e sódio. Seu consumo excessivo pode causar problemas de saúde, como colesterol alto, excesso de peso e doenças cardiovasculares.

Que tal reformular a lancheira de casa que vai para a escola ?

Que tal participar ativamente para entender como ajudar junto ao CAE do seu município ?

Ou talvez reunir junto à direção da escola do seu filho e cantina para que todos possam traçar uma meta na alimentação das crianças e jovens ?

Atente-se : “ Nós somos o que comemos “.

Foto

Fabiana Justo

ver mais

mais de Fabiana Justo

Comentários:

1