28/06/2014 às 17h05min - Atualizada em 28/06/2014 às 17h05min

Brasil vence Chile em partida dramática

Seleção garante nos pênaltis a vaga para as quartas de final

Da Redação: Rafael Barbosa / Fotos: Jefferson Bernardes/VIPCOMM

O Brasil enfrentou a partida mais dramática dos últimos anos, em seu confronto contra o Chile pelas oitavas de final da Copa do Mundo. A partida começou com muita marcação por parte das duas seleções e com menos de 2 minutos de jogo, a seleção brasileira já havia cometido duas faltas. Embora a equipe chilena tenha começado pressionado a área brasileira, obrigando o goleiro Júlio César a  manter a bola longe, o primeiro lance de perigo veio da seleção canarinho quando, aos 5 minutos, Marcelo pegou rebote de cobrança de escanteio e chutou forte a direita do gol de Bravo.

O jogo seguia e o Brasil via dificuldade em sair com a bola da área de defesa por conta da marcação chilena, sendo obrigado a investir em passes longos e ligações diretas, perdendo a possa de bola com frequência. Porém, aos 12 minutos, as investidas brasileiras causam o primeiro lance polêmico do jogo, com Hulk caindo na grande área ao passar por Isla.

A equipe brasileira seguia mais faltosa na disputa, mas embora o Chile mantivesse o maior tempo de posse de bola, era a nossa seleção quem chegava com mais perigo ao campo adversário e aos 17 minutos, após uma cobrança de escanteio, Thiago Silva desviou a bola na primeira trave e David Luiz fez o primeiro gol da partida ao dividir a bola com o zagueiro chileno.

Sair na frente deu confiança a seleção, que continuou pressionado os chilenos, que não conseguiam furar a defesa do Brasil e que precisaram de um erro da defesa adversária para igualar o placar. Pouco depois dos 30 minutos de jogo, Hulk errou a devolução para Marcelo, deixando a bola para Vargas, que precisou apenas tocar a bola para que Alexis Sánchez a colocasse no canto do gol brasileiro, empatando a partida. Com o empate as coisas ficaram iguais não apenas no placar, mas no ritmo de jogo, com os dois times levando perigo para as áreas adversárias.

Segundo tempo Chileno

O Chile voltou para o segundo tempo claramente mais empenhado em vencer a partida, crescendo no jogo em marcação e dominando o meio de campo, chegando a área adversária com mais perigo. Nossa seleção sentiu a pressão adversária principalmente no meio de campo, obrigando a equipe a investir em passes muito longos em direção a área chilena.

Com dificuldade, a equipe brasileira quase avançou no placar com um gol de Hulk, mas o árbitro anulou o lance alegando mão do jogador brasileiro, o que lhe rendeu um cartão amarelo. Com o decorrer da partida, outro cartão amarelo também prejudicou a seleção e deixou Luiz Gustavo fora da próxima partida.

Mesmo dominando a disputa, a equipe do Chile teve o seu primeiro lance de perigo apenas aos 18min, quando após uma tabela pelo lado direito, Aránguiz chutou forte dentro da área para a defesa de Julio Cesar no reflexo. A equipe continuou oferecendo dificuldades ao Brasil, que jogava mal principalmente por conta da dificuldade nas saídas de bola e por conta disso, conseguindo pouco lances de ligação e deixando jogadores como Neymar apagados na partida. Entretanto, mesmo não fazendo um bom jogo, o atacante ainda conseguiu dar uma cabeçada que levou perigo ao goleiro chileno.

O jogo chegava ao seus minutos finais e começava a ganhar ares de drama, principalmente devido a apatia da equipe nacional em deixar que o Chile mantivesse a posse de bola e esperasse o momentos certo para pressionar, o que trouxe muita dor de cabeça para nossa seleção nos momentos finais do segundo tempo. Com o empate mantido, o jogo foi para a prorrogação.

 Final dramático

O Brasil entrou para a sua sétima prorrogação em Copas do Mundo com um pouco mais de entusiasmo, marcando e arriscando mais nos chutes de longa distância, embora ainda enfrentando problemas para penetrar na defesa chilena. Hulk continuou como o melhor jogador em campo, com uma ótima assistência para Oscar e um grande chute forte ao gol adversário. Infelizmente com a nova pressão mais faltas foram cometidas e ao final do primeiro tempo de prorrogação, Jô e Daniel Alves já havia ganhado um cartão amarelo.

O segundo tempo de prorrogação chegou e com ele o drama do Brasil. A equipe nacional tentou investir, porém o Chile prendeu o jogo e claramente com a intenção de levar a partida para os pênaltis, somente se defendia e arriscava pouco, o que ainda rendeu alguns momentos de perigo para a nossa seleção, como o chute de Alexis Sánchez no travessão de Júlio César. O tempo passou e o desconforto nacional era tão evidente quanto o cansaço da equipe chilena, que conseguiu levar a partida para as penalidades máximas.

Nos pênaltis, foi a vez de Julio Cesar brilhar. O goleiro brasileiro defendeu dois chutes, o que garantiu a vitória da seleção apesar de Willian e Hulk também terem perdido suas respectivas cobranças. Na última cobrança do Chile, Jara chutou na trave e levou o Brasil para a próxima etapa da Copa do Mundo.  

  

 

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »