02/12/2016 às 11h37min - Atualizada em 02/12/2016 às 11h37min

Fatores antropológicos sobre a criminalidade no Brasil

- Foto: divulgação

Na semana passada mostrei os dados sobre o perfil dos criminosos no Brasil segundo o Infopen (Sistema Integrado de Informação Penitenciaria) http://www.infopen.gov.br/

Relembrando, 67% dos criminosos são negros, 53% tem ensino fundamental incompleto, e 31% dostem entre 18 a 24 anos de idade. Eu terminei o texto perguntando:Como em um país onde o ensino é gratuito e há cotas nas universidades para os negros, há tantos jovens que não estudam?

A resposta socioeconômica todos já sabemos, eles são vítimas da sociedade e porserem pobres caem no mundo do crime. Esta resposta não convence mais a ninguém pois pessoas de outras etnias também nascem pobres em favelas e não se tornam a maioria dos criminosos como os negros. Então vejamos hoje a explicação antropológica.

Os comerciantes africanos adentravam o interior da África continental para capturar escravos de outras tribos para serem vendidos aos portugueses. Eram negros capturando negros. Na correria e na luta entre as tribos os comerciantes pegavam todos que podiam e assim eles preenchiam a demanda. Para eles seus conterrâneos africanos significavam somente dinheiro, melhor dizendo, ouro que receberiam dos compradores. Neste cenário, muitas pessoas foram separadas de suas tribos e de suas famílias.

Os que sobreviviam a longa viagem atravessando o oceano atlântico, ao desembarcarem eram leiloados. Neste leilão, as tribos e as famílias eram maisuma vez separadas, com uns indo morar em Minas Gerais, outros no Rio de Janeiro, Bahia etc. A estrutura grupal/tribal/familiar era desfeita.

 

Chegando na fazenda os escravos eram mais uma vez separados com uns indo trabalhar como criados na Casa Grande, outros nos estábulos, e a maioria nas plantações ou na extração de ouro e pedras preciosas.

Como eram de diferentes tribos eles tinham disputas entre si apesar de todos serem escravos. E os escravos que trabalhavam na Casa Grande se julgavam melhores do que os outros. Eu recomendo a leitura do livro Casa Grande e Senzala de Gilberto Freyre. Eu li este livro em 1986 e é um verdadeiro compêndio antropológico que explica em detalhes o que eu escrevi resumidamente aqui em somente um parágrafo.

Assim toda a estrutura social e familiar de diversas tribos africanas que vieram para o Brasil foram sendo desfeitas cada vez que ocorria uma separação. Resumindo, o conceito sócio familiar foi desmantelado. Isso ocorreu de 1530 até 1888 quando foi proclamada o fim da escravidão no Brasil.

Como os negros ficavam todos na Senzala, aconteciam muitos casos de estupros onde as escravas engravidavam. Toda gravidez era lucro, pois iria nascer mais uma pessoa para trabalhar. A mãe por sua vez não nutria sentimentos pelos filhos visto que eram filhos de estupros por parte de homens de outras tribos e não de sua tribo original. (O sistema tribal ainda vigora atualmente em muitas partes da África que ainda não foram tomadas por extremistas muçulmanos.)

Os pais negros brasileiros são ainda os que mais abandonam seus filhos e muitas vezes a criança é também abandonada pela mãe. A criança acaba sendo criada por um parente como tia, avó, ou vai para um orfanato. Na maioria dos casos são estes jovens que acabam se voltando para o crime.

Sem uma estrutura familiar adequada, não tem quem os eduque, ensine ou explique valores morais e éticos e a importância de se estudar; apesar do ensino fundamental e médio ser totalmente gratuito no Brasil e de haver cotas nas universidades.

Esta é uma rápida explicação antropológica e não uma desculpa para se tornarem criminosos. Há também explicações psicológicas como a falta de amor, carinho, atenção e o abandono. Ser abandonado pelo pai, pela mãe, ou por ambos causa consequências profundas na psique da pessoa, mas não pretendo esgotar o assunto. Simplesmente quero que você entenda a questão da criminalidade no Brasil por outroângulo e não somente o socioeconômico.

Link
Tags »
sandra coluna
Relacionadas »
Comentários »
total

2672835 visitas

Você costuma pesquisar preços nos supermercados?

51.4%
29.9%
18.8%